comunicação | Notícias

sinaproGUGAMATOS.jpg

Nova diretoria do Sinapro toma posse e apresenta plano de gestão

Objetivo da nova diretoria do Sinapro é, durante o mandato, unir agências, fornecedores e a academia em prol de um fortalecimento do segmento.
02/08/2018

A nova diretoria do Sindicato das Agências de Propaganda do Estado de Pernambuco (Sinapro-PE), tomou posse nessa quarta (1º), em encontro com representantes do setor. Na ocasião, foi apresentado o novo plano de gestão, com o objetivo de unir agências, fornecedores e a academia em prol de um fortalecimento do segmento.

“O Sinapro-PE tem o papel de organizar e alinhar os interesses para ir em busca das demandas do mercado”, afirmou o novo presidente do Sinapro-PE, Daniel Queiroz. “Isso significa fomentar o negócio, mapear a indústria e conhecer a dimensão dela, saber quantos empregos ela gera e o quanto movimenta pra economia. Isso tem a ver com capacitação empresarial das lideranças e das equipes nesse cenário que a publicidade está vivendo”, completou Queiroz.

Para a vice-presidente do sindicato, Maria Paula Durães, a mudança representa um ganho para o setor. “A diretoria é composta por representantes de várias agências, muita gente nova no mercado. Acho que isso é bacana para pensarmos junto o segmento da publicidade em Pernambuco”, disse.

Prestigiaram a solenidade o presidente e o superintendente da Federação Nacional das Agências de Propaganda (Fenapro), entidade a qual o Sinapro responde. “Antes de tudo, Pernambuco tem um papel importantíssimo nesse sistema Fenapro-Sinapro. O Estado participa de todas as atividades nacionais, é o primeiro que levanta a mão para fazer, e aqui existe uma liderança de mercado muito importante”, elogiou o superintendente Alexis Pagliarini.

Assim como todos demais setores, a crise instalada no país afetou gravemente o mercado publicitário. “A propaganda sempre sofre muito com a queda da atividade econômica porque está diretamente atrelada a isso. Eu diria que os últimos dois anos foram muito desafiadores para as agências”, explicou Pagliarini. “Além disso, é um momento de muito insegurança politica, e insegurança é a pior coisa para a propaganda. É melhor ter uma situação ruim definida do que a incerteza. O que a gente precisa é um sopro de otimismo. Se as pessoas acreditam que vai melhorar, melhora”, afirmou.

Com informações da Folha de Pernambuco